- Atualizado em 10:46

Tecnologia

45499

Como sobreviver às eleições sem brigar com amigos nos grupos de WhatsApp

Cristiano Nabuco explica os motivos por trás de tanta exaltação nas redes sociais motivada por política

Cristiano Nabuco explica os motivos por trás de tanta exaltação nas redes sociais motivada por política (Foto: UOL) Cristiano Nabuco explica os motivos por trás de tanta exaltação nas redes sociais motivada por política (Foto: UOL)

NACIONAL - O show de horror das eleições de 2014 está de volta numa rede social pertinho de você. Agora também com forte distribuição pelo WhatsApp e participação especial das notícias falsas. Estamos falando, claro, das discussões acirradas motivadas por política.

Com a polarização eleitoral, as pessoas que antes trocavam GIFs agora gostariam, se assim pudessem, de trocar socos. O "bom dia, grupo!" deu lugar ao link para valorizar um candidato ou criticar seu oponente. Conhecidos se engajam online para crucificar o autor de uma postagem ou, dependendo de seu posicionamento político, defender este mesmo crucificado. O discurso incorporou de vez o "nós e eles". Pessoas voltam a questionar suas amizades e, em casos mais extremos, passam a desejar ter nascido em outra família.

Por trás disso tudo existe um mecanismo que junta o cenário atual do país, a forma como usamos redes sociais e a maneira como nos relacionamos com as pessoas. Cristiano Nabuco, colunista do UOL e psicólogo do Grupo de Dependências Tecnológicas do PRO-Amit (Programa Integrado dos Transtornos do Impulso), do Instituto de Psiquiatria da Universidade de São Paulo, explica a seguir por que existe tanta exaltação nas redes sociais e avalia quando vale a pena confrontar alguém com opiniões políticas divergentes.

O especialista em comportamento no ambiente digital dá um spoiler sobre esta série de terror: se todo esse clima está fazendo mal a você, desconecte-se. Afaste-se –mesmo que provisoriamente-- dos grupos, das timelines e tente se proteger do bombardeio de informações, que podem mesmo tirar as pessoas do sério. "Essa discussão reflete um momento muito pontual e não necessariamente essas verdades [sobre as quais estão brigando] vão ser consolidadas", diz Nabuco. Ou seja: é bem possível que as horas discutindo em frente às telas não sirvam para nada além de provocar atraso, fim de amizades, tendinite e talvez até gastrite.

Mob Bom 12 (tecnologia) - 25/09/18

A bolha

Considerando que os eleitores são todos adultos, seria natural que soubessem lidar com opiniões contrárias às suas. Então chega a vida real e nos mostra que isso nem sempre acontece. Com o agravante de que, nos últimos anos, os sites de relacionamento criaram bolhas de informação, entregando ao usuário o tipo de conteúdo que ele espera ver.

A polarização se intensificou a partir do momento em que as redes sociais entraram na vida das pessoas. Mesmo que tenha milhares de amigos, ela recebe informações que repetem o que ela posta. Isso cria a falsa ideia de que o contorno político é parecido com o dela, de que o indivíduo com opinião contrária está fora da curva
Cristiano Nabuco

Enquanto a opinião está sendo confirmada, são menores as chances de conflito (e maiores de alienação). Mas eventualmente essa bolha estoura --principalmente nos grupos de WhatsApp, sem os tais filtros-- e é neste momento de estranhamento que se dá o enfrentamento. O contato com conhecidos que pensam de maneira tão diferente provoca frustração, raiva e faz ecoar variações da seguinte frase dita pelo psicólogo: "Como alguém tão legal pensa uma pataquada dessa?".

Esse cenário já existia nas eleições passadas e, questionado se os internautas aprenderam algo com os conflitos anteriores, o especialista é categórico: "Claro que não. Senão as pessoas não estariam brigando ainda". A tendência, avalia, é piorar com a aproximação do segundo turno, considerando que os eleitores estão insatisfeitos e cansados de uma política que não preenche, não responde, não resolve.

Personalidade eletrônica

Se houver alguma faísca de treta, o incêndio pode ser causado por aquilo que o psicólogo chama de personalidade eletrônica. Vamos a ela.

Em uma conversa cara a cara, os interlocutores veem as reações físicas uns dos outros, captando muitos sinais que não existem na internet. Nabuco exemplifica isso com o chamado nuto (movimento com a cabeça em sinal de consentimento), que dá cadência ao bate-papo. Para compensar a ausência desses recursos, na internet as pessoas tendem a exagerar. Como consequência --muitas vezes indesejada--, o ambiente virtual nos torna mais agressivos, mais insubordinados e mais sexualizados.

Tem mais. Quando alguém acessa a internet, principalmente via smartphone, faz isso em um ambiente mais privado: em casa, no quarto, no carro. Essa familiaridade com o local, continua Nabuco, gera um processo de desinibição, que pode levar às redes sociais características nem sempre positivas e geralmente escondidas da personalidade.

Expectativa x realidade

Daí a bolha estourou e você leu uma opinião horrorosa vinda de alguém muito querido. Se houve algo de surpreendente aí, o problema pode ser você.

"A premissa epistemológica responde à pergunta: como eu conheço as coisas à minha volta? E aqui partimos do princípio que existe uma verdade única. Se eu falar caminhão laranja, espero que você saiba do que estou falando. Quando uma informação chega para mim, existe uma tentativa de fazer com que corresponda àquilo que imagino ser correto. Se isso não acontece, eu me frustro."

Ficamos irritados quando nossa construção [da verdade] está sendo desafiada: 'O que eu pensei sobre você não corresponde ao que você me mostra'. Isso exige uma reorganização mental, criando um desconforto muitas vezes comparado a uma dor física
Cristiano Nabuco 

Quanto vale a treta?

É bem possível que você tenha visto algo parecido nas últimas semanas. Alguém que tem certeza absoluta sobre o que está falando, muitas vezes distorcendo a realidade para se encaixar naquilo que ela acredita. Qualquer argumento será rebatido, qualquer opinião contrária será estraçalhada. Nesses casos, a tentativa de fazer o sujeito mudar de opinião será por sua conta e risco. E, como você bem sabe, terá chances mínimas de sucesso.

A pessoa dificilmente entra em uma discussão para mudar de opinião. Ela entra para mostrar quanto o outro está errado. Se esse for o tom da conversa, desista
Cristiano Nabuco 

A história é diferente se os interlocutores estiverem realmente dispostos a se ouvir, a considerar opiniões distintas das suas. Mas seja honesto: quantas vezes isso aconteceu recentemente? E, se o clima de discussões políticas nas redes sociais lhe fizer mal, volte ao conselho do começo desta reportagem. Afaste-se.

Dê sua opinião

Não serão aceitas mensagens com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;


Comentários
 
Fechar

Lista Telefônica Online

Preencha um dos campos abaixo e faça a consulta

Telefone

 
 
 
Fechar
Rádio Califórnia Rádio Clube Rádio Max Rádio Metropole