Saúde

52336

Governo de SP e Butantan adiam divulgação de eficácia da Coronavac

Questões contratuais foi a desculpa para não informar

SÃO PAULO - Em coletiva de imprensa realizada nesta quarta-feira (23), o governo do estado de São Paulo e o Instituto Butantan afirmaram que a Coronavac — vacina produzida em parceria com o laboratório chinês Sinova— atingiu o nível de eficácia exigido pela Anvisa e pela Organização Mundial da Saúde (OMS), de pelo menos 50%, na fase 3 das pesquisas.

"Atingimos a superioridade da eficácia da vacina no Instituto Butantan. Conseguimos os índices exigidos tanto pela Anvisa quanto pela OMS nos estudos da fase 3. Isso permitirá com que evitemos a morte de milhares de pessoas, não só aqui no nosso país mas em todo o mundo", disse o secretário de estado de Saúde, Jean Gorinchteyn.

O grau de eficácia atingido pelo imunizante na fase final dos testes, no entanto, não foi revelado, como prometido. O governo paulista já havia se comprometivo a divulgar os resultados detalhados da fase 3 dos estudos na semana passada, mas voltou a adiar o lançamento dessa informação por questões contratuais.

No contrato que o Instituto Butantan assinou com a Sinovac, há uma cláusula que confere ao laboratório o direito de consolidação da base de dados e divulgação de resultados de eficácia e segurança. A empresa chinesa pediu um prazo de 15 dias para comparar números da pesquisa no Brasil com outros países e finalmente informar o nível de eficácia do imunizante.

Dimas Tadeu Covas, diretor do instituto, acredita que esse prazo solicitado deve ser ainda mais curto. "Ontem, o laboratório nos solicitou que não divulgássemos o número sobre a eficácia, porque eles precisam analisar os casos e demonstrar à agencia sanitária reguladora da china, a Anvisa local.  Solicitaram nos um prazo de 15 dias para que isso aconteça. Isso está no contrato e vamos respeitar essa data. Mas acreditamos piamente que será, inclusive, adiantada.

Durante o evento, o diretor do Instituto Butantan voltou a defender que essa é a vacina mais segura dentre as que estão sendo testadas, sem revelar dados precisos. "A Coronavac tem um perfil de segurança excelente. A reação mais presente foi dor no local da injeção e, mesmo essa manifestação, não foi significativamente diferente entre o grupo que recebeu a vacina e o grupo placebo", disse Dimas Tadeu Covas.

Sobre o projeto de vacinação, o secretário da saúde disse que os planos divulgados anterior mente pelo governador João Doria (PSDB) estão mantidos.

Dê sua opinião

Não serão aceitas mensagens com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;


Comentários
 
Fechar

Lista Telefônica Online

Preencha um dos campos abaixo e faça a consulta

Telefone

 
 
 
Fechar
Rádio Califórnia Rádio Clube Rádio Max Rádio Metropole