Regional

51688

Justiça faz primeira audiência para ouvir casal preso por matar e esquartejar advogado em Araçatuba

Crime foi registrado em janeiro de 2020.

ARAÇATUBA - A Justiça realiza na tarde desta quinta-feira (8) a primeira audiência de instrução do caso do advogado Ronaldo Capelari, de 53 anos, que foi encontrado esquartejado dentro de três sacos no banheiro de uma edícula, em Araçatuba (SP).

Laís Lorena Crepaldi, de 20, e o namorado dela, Jonathan Andrade Nascimento, de 21 anos, foram presos e confessaram o crime, registrado em janeiro de 2020. A Polícia Civil concluiu o inquérito e denunciou o casal por latrocínio e ocultação de cadáver.
 
De acordo com o Ministério Público, os dois réus, oito testemunhas, advogados, promotor e o juiz participam da audiência realizava de forma virtual por conta da pandemia.
 
Investigação
 
O caso começou a ser investigado depois que a família de Ronaldo procurou a delegacia para registrar um boletim de ocorrência de desaparecimento.
 
Duas horas depois de o registro policial ser feito, a caminhonete da vítima foi encontrada com marcas de sangue, em uma estrada de terra, em Birigui (SP).
 
Em seguida, uma denúncia anônima indicou o imóvel onde o corpo do advogado foi encontrado, no bairro Água Branca, na noite do dia 14 de janeiro.
 
Não havia ninguém dentro da casa, mas Laís, sabendo que a polícia estava à procura da locatária do imóvel, compareceu na Delegacia de Investigações Gerais (DIG) para falar sobre o caso, na manhã do dia seguinte.
 
Segundo a Polícia Civil, ela contou durante depoimento que tinha deixado o imóvel aberto e não sabia o que havia acontecido.
 
A polícia chegou a prender três homens apontados por Laís. Contudo, ela voltou atrás e afirmou que mentiu durante depoimento para defender o namorado. O trio teve a prisão revogada e foi liberado.
 
De acordo com a Polícia Civil, Jonathan bateu na cabeça de Ronaldo assim que o advogado entrou no imóvel. Por causa dos ferimentos, o casal decidiu matar a vítima e depois esquartejou o corpo, porque o rapaz não conseguiu colocá-lo na caminhonete para desová-lo.
 
Com o intuito de apurar melhor os fatos e obter informações para indiciar o casal, agentes do Instituto de Criminalística (IC) e da Polícia Civil realizaram uma nova perícia na casa onde o advogado foi morto.
 
Os trabalhos contaram com um material chamado Luminol, elemento químico capaz de identificar vestígios de sangue. Os resultados também foram incluídos no inquérito.
 
Casa Avenida 526 (regional) - 09/10/2020
Dê sua opinião

Não serão aceitas mensagens com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;


Comentários
 
Fechar

Lista Telefônica Online

Preencha um dos campos abaixo e faça a consulta

Telefone

 
 
 
Fechar
Rádio Califórnia Rádio Clube Rádio Max Rádio Metropole