Regional

51765

Familiares e amigos se despedem em Presidente Prudente de policial militar assassinado em São Paulo

Soldado Daniel Alves de Lima, de 32 anos, foi sepultado na tarde desta terça-feira (20), no Cemitério Municipal São João Batista.

PRESIDENTE PRUDENTE - O corpo do policial militar Daniel Alves de Lima, de 32 anos, foi sepultado na tarde desta terça-feira (20), no Cemitério Municipal São João Batista, em Presidente Prudente (SP). O soldado foi assassinado em São Paulo (SP) no último fim de semana.

O velório foi realizado em um templo da Assembleia de Deus, no Jardim Monte Alto, onde Lima frequentava e era pregador. Pela manhã, viaturas da Polícia Militar fizeram um cortejo acompanhando o corpo no trajeto entre a funerária até a igreja, enquanto, no período da tarde, seguiram entre o velório e o cemitério.
 
O trecho da rua onde fica a igreja foi interditado temporariamente para o trânsito e equipes da Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana e Cooperação em Segurança Pública (Semob) estiveram no local para orientar o tráfego.
 
Antes do enterro, a Polícia Militar fez um cortejo fúnebre até o Cemitério Municipal São João Batista em homenagem ao soldado Daniel Alves de Lima. O cortejo saiu da Igreja Assembleia de Deus, no Jardim Monte Alto, e percorreu avenidas de Presidente Prudente até o cemitério, na Vila Liberdade, onde ocorreu o sepultamento.
 
Os familiares, amigos e colegas de profissão prestaram a última homenagem à vítima entoando hinos de louvor.
 
'Ele adorava ajudar as pessoas'
 
O amigo Romero Alves de Souza disse que era como um pai para Lima, que cresceu em uma família humilde. Antes de se tornar policial, o soldado foi catador de materiais recicláveis e porteiro.
 
O soldado era casado e deixa a esposa e três enteados.
 
Lima ficou sete anos a trabalho em São Paulo e voltou há cerca de três meses para Presidente Prudente. Quando estava na capital paulista, realizava trabalhos de evangelização com pessoas carentes, ação que continuava na cidade-natal.
 
Ainda de acordo com o amigo, o soldado era uma pessoa brincalhona, que não tinha preguiça de pregar a palavra de Deus, e de boa conduta. Ele viajou para São Paulo na quinta-feira (15) para buscar Bíblias e transferir a faculdade para Presidente Prudente. Ele estava na reta final do curso de direito, no último ano.
 
O sargento da PM Jefferson Claro relatou que Lima fazia parte do Rádio Patrulhamento com Motos (RPM), na área da 1ª Companhia do 18º Batalhão da Polícia Militar do Interior (BPM/I), que tem sede em Presidente Prudente.
 
“Era um menino ativo, proativo, amigo de todos, era confidente de vários policiais. Inclusive, ele era pastor evangélico. Era um cidadão muito bem visto como homem, pai de família, policial, era um exemplo para a gente”, afirmou.
 
Claro disse também que o soldado costumava se dedicar à evangelização durante todas as folgas. “Ele frequentava várias igrejas em Martinópolis [SP], Regente Feijó [SP]. Por outras vezes, ele ia até São Paulo, com grupos dessa igreja, para tentar evangelizar o pessoal da Cracolândia, da Praça da República, justamente foi lá que aconteceu essa tragédia”, lamentou o sargento.
 
O corpo de Lima foi identificado nesta segunda-feira (19), no Instituto Médico Legal (IML), na capital paulista. De acordo com as informações divulgadas pela PM, policiais militares que estavam em serviço, na manhã do último sábado (17), abordaram quatro indivíduos que conduziam uma carroça, na Avenida Rudge, no bairro de Campos Elíseos, em São Paulo. Na abordagem, os policiais constataram que havia o corpo de um homem dentro da carroça.
 
A ocorrência foi apresentada no 2º Distrito Policial (DP), onde a Polícia Civil indiciou os quatro indivíduos pelo crime de homicídio qualificado, em concurso de pessoas.
 
Segundo a Polícia Militar, informações preliminares indicam que possivelmente o soldado estaria evangelizando para moradores de rua, na região central da capital. Porém, o caso está em investigação na Polícia Civil, com o apoio da Polícia Militar.
 
O soldado tinha sido visto pela última vez na Praça da República, também na região central. No fim de semana, uma equipe da Polícia Militar encontrou um cadáver sem roupas, não identificado, dentro de uma carroça, que era levada por quatro homens sobre o Viaduto Orlando Gurgel, no bairro de Campos Elíseos.
 
Algumas partes do cadáver estariam esmagadas, segundo policiais. O corpo do PM Daniel Alves de Lima estava escondido, debaixo de cobertores, dentro da carroça. O local onde o corpo foi encontrado é próximo à Cracolândia, região conhecida pelo tráfico e pelo consumo de drogas.
 
O caso foi registrado como homicídio qualificado no 2º DP. A Polícia Civil vai investigar as causas da morte e eventuais responsabilidades pelo assassinato do PM.
 
Todos os quatro indiciados já tinham passagens anteriores por outros crimes, como furto, roubo e tráfico. Entre os suspeitos, estão um cozinheiro, de 35 anos, e três desempregados, de 37, 32 e 26 anos. Eles foram algemados e levados à delegacia.
 
TSC Soluções 121 (regional) - 21/10/2020
 

Fotos:

Dê sua opinião

Não serão aceitas mensagens com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;


Comentários
 
Fechar

Lista Telefônica Online

Preencha um dos campos abaixo e faça a consulta

Telefone

 
 
 
Fechar
Rádio Califórnia Rádio Clube Rádio Max Rádio Metropole