Polí­tica

44542

Eleições 2018: Bolsonaro implora por ajuda

O candidato “contra tudo que está aí” corre atrás de parte do que aí está

NACIONAL - Se você leu que um candidato disse que a campanha só começa para valer na data marcada, entenda: ele está em baixa nas pesquisas de intenção de voto e tenta empurrar para frente a cobrança dos seus aliados para que cresça logo. (Alô, alô, Geraldo Alckmin!)

Se você leu que um candidato disse que só lhe interessa a pesquisa que ele mesmo faz com o povo na rua, entenda: algo em alguma pesquisa recente o contrariou. Assim, ele sugere que pesquisas de intenção de voto são feitas sem que de fato se escute o povo, ou o povo dele.

Foi o que Jair Bolsonaro (PSL), assim como Alckmin, candidato à vaga de Michel Temer, disse ontem. Ele detestou a pesquisa Ibope encomendada pela Confederação Nacional da Indústria que o apontou como o candidato com maior grau de rejeição, um ponto à frente de Lula.

 “Quer dizer que eu sou mais bandido que o Lula? Não dá para acreditar nisso. Minha pesquisa é o aeroporto, o povo com que falei hoje na praça pública” – irritou-se Bolsonaro. Também detestou saber que está praticamente empatado com a ex-ministra Marina Silva (REDE).

Até o momento, Bolsonaro só é forte entre os eleitores mais ricos, com maior instrução, e do Sul, Sudeste e Centro-Oeste. Entre os eleitores mais pobres, só tem 7% de votos. No Nordeste, está bem atrás de Marina e de Ciro Gomes (PDT). As mulheres lhe negam o voto.

Sem tempo de propaganda eleitoral no rádio e na televisão devido ao nanismo do seu partido, é por isso que o candidato que é contra “tudo o que está aí” implora por apoio de parte de “tudo o que está aí”. De preferência partidos maiores. Está de olho no Partido da República.

O PR é um dos partidos mais povoados por gente suspeita ou acusada de corrupção. Quem manda nele é o ex-deputado Valdemar da Costa Neto, que já foi dono do Partido Liberal (PL), e que em troca de R$ 6 milhões vendeu o apoio do PL à candidatura de Lula em 2002.

Condenado no caso do mensalão do PT, anos mais tarde posto em liberdade, Costa Neto vive de alugar o PR a quem pagar mais no mercado presente ou futuro. Bolsonaro acena para ele com postos em um eventual governo seu. Costa Neto ainda hesita. Examina outras propostas.

Dê sua opinião

Não serão aceitas mensagens com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;


Comentários
 
Fechar

Lista Telefônica Online

Preencha um dos campos abaixo e faça a consulta

Telefone

 
 
 
Fechar
Rádio Califórnia Rádio Clube Rádio Max Rádio Metropole