Polí­cia

6762

Detento do presídio de Avaré comandava tráfico de drogas e outros crimes no estado

Os advogados seriam o elo com a organização criminosa responsável pela compra e venda de drogas.

AVARÉ - Escutas telefônicas que comprovam o envolvimento do preso com o crime organizado
 
As ligações foram interceptadas com a permissão da justiça. Nelas, o detento falava com advogados na capital. Em um trecho transcrito pela polícia, Orlando manda "pôr os guarda roupa' tudo no chão, tudo certinho e ainda pergunta de quanto foi o lucro. Para a polícia, o guarda roupa citado é um carregamento de maconha.
 
O detento também pede, em outro trecho, para uma advogada que venda um "prédio", depois que a polícia apreendeu quase três toneladas de maconha na região de Sorocaba que seriam para seus companheiros.
 
Segundo o Gaeco, Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado e a Polícia Federal de Marília, essa e outras conversas mostram como Orlando, mesmo preso há dez anos, agia no tráfico.
 
Os advogados seriam o elo com a organização criminosa responsável pela compra e venda de drogas. Negócio, ainda segundo a polícia, que teria deixado o detento milionário.
 
No fim do ano passado, uma ação policial prendeu quatro advogados em várias cidades do estado. Também foram apreendidos dinheiro e drogas.
 
Orlando tinha até uma pessoa para comandar uma imobiliária, que cobrava aluguéis e condomínios atrasados de outros detentos e familiares.
 
O caso agora está com a justiça. A denúncia acusa dez pessoas de participação na organização criminosa. Orlando, mesmo preso em Avaré, vai responder um novo processo por tráfico de drogas.
Dê sua opinião

Não serão aceitas mensagens com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;


Comentários
 
Fechar

Lista Telefônica Online

Preencha um dos campos abaixo e faça a consulta

Telefone

 
 
 
Fechar
Rádio Califórnia Rádio Clube Rádio Max Rádio Metropole