- Atualizado em 17:15

Estradas

45307

Mãe que estava em carro do filho preso por embriaguez ao atropelar cavaleiro morre

Idosa se feriu quando filho dela atropelou cavaleiro em estrada que liga Birigui a Clementina

CLEMENTINA - Conceição Aparecida Braga Inácio, 72 anos, moradora em Clementina, morreu na manhã de domingo (9) na Santa Casa de Araçatuba, onde estava internada desde o último dia 18. Ela estava no carro conduzido pelo filho dela, um ajudante de motorista de 50 anos, que naquele dia atropelou um cavaleiro em uma estrada municipal de Birigui.

Com ferimentos no rosto, a mulher foi internada e o filho dela preso em flagrante na ocasião por embriaguez ao volante. A morte da idosa foi constatada às 8h40 de domingo e o boletim de ocorrência informando a polícia foi registrado por outro filho dela, um aposentado de 47 anos, residente em Birigui.

Segundo a polícia, o atropelamento aconteceu pouco depois das 20h30 daquele sábado, na estrada vicinal Antônio Mestriner, em Birigui. O filho da vítima conduzia um VW Gol com placas de Birigui, sentido a Clementina.

Ele contou que ao passar pelo quilômetro 9 da estrada, atropelou um dos cavaleiros que seguia pela via em um grupo, de acordo com ele, pelo meio da estrada. Com o impacto, o animal acabou morrendo e o jovem que o montava, um auxiliar mecânico de 18 anos, também ficou ferido.

Quando os policiais chegaram para atender a ocorrência, as tanto ele como Conceição já tinham sido socorridos por equipe de resgate do Corpo de Bombeiros e levados para a Santa Casa de Birigui.

Dr. Pet 12 (estradas) - 10/09/18

Na ocasião, foi informado à polícia que a mulher tinha escoriações pelo corpo e lesões na face e, por isso, permaneceria em observação no hospital. Entretanto, quando a ocorrência era registrada na delegacia, a polícia foi comunicada que a paciente teve que ser transferida para a Santa Casa de Araçatuba. Não há informações sobre o estado de saúde do jovem cavaleiro atropelado.

EMBRIAGUEZ

Ao chegarem ao local para atendimento à ocorrência, os policiais militares perceberam que o condutor do carro apresentava sinais de embriaguez. A cerca de 20 metros de onde aconteceu o atropelamento foi encontrada e apreendida uma garrafa de dois litros contendo cachaça.

O ajudante de motorista concordou em fazer o teste do bafômetro, que apontou 0,56 miligramas de álcool por litro de ar alveolar, quando o limite para a prisão em flagrante é de 0,33 miligramas.

Ele foi levado ao plantão policial, onde o delegado plantonista optou por não conceder a ele o direito de aguardar julgamento em liberdade mediante pagamento de fiança, levando em consideração que além do crime de embriaguez, ele também responderia por lesão corporal.

Se a Justiça considerar que a morte da mãe dele foi consequência do atropelamento, o acusado também poderá responder por homicídio culposo na condução de veículo automotor. Não foi informado se após audiência de custódia o ajudante de motorista obteve a liberdade condicional.

O corpo da idosa passou por exame necroscópico antes de ser liberado para velório e enterro.

Dê sua opinião

Não serão aceitas mensagens com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;


Comentários
 
Fechar

Lista Telefônica Online

Preencha um dos campos abaixo e faça a consulta

Telefone

 
 
 
Fechar
Rádio Califórnia Rádio Clube Rádio Max Rádio Metropole