- Atualizado em 09:36

Destaque

41373

Flórida Paulista: Paleontólogo retira fóssil de titanossauro de rocha às margens da Rodovia Comandante João Ribeiro de Barros

Descoberta trata-se de fragmento de osso da perna do réptil

FLÓRIDA PAULISTA - O paleontólogo William Nava, do Museu de Paleontologia de Marília (SP), concluiu os trabalhos de retirada de um fóssil de titanossauro que estava incrustado no barranco às margens da Rodovia Comandante João Ribeiro de Barros (SP-294) no trevo de Flórida Paulista. Segundo o pesquisador, trata-se de um fragmento de úmero, osso da perna dianteira de um titanossauro. Ele salientou que, pelo grau de preservação, o fóssil deveria estar inteiro, mas foi parcialmente destruído por obras realizadas no local.

No fim, o fóssil ainda se fragmentou devida a uma série de pequenas rachaduras que já apresentava e agora, segundo Nava, vai passar por uma restauração e colagem das partes para depois ser colocado em exposição para o público no Museu de Paleontologia de Marília.

Nava já atua há alguns anos em pesquisas e escavações na região de Presidente Prudente que têm revelado importantes achados para a paleontologia. Fósseis de vertebrados – especialmente dinossauros – que habitaram a região onde hoje fica o Oeste Paulista há cerca de 70 milhões de anos vêm sendo prospectados em sítios paleontológicos que geralmente são cortes de rodovias que expõem rochas de arenito.

Um desses locais é o corte da SP-294, em Flórida Paulista, onde afloram arenitos portadores de fragmentos ósseos de dinossauros saurópodes – os titanossauros –, além de fósseis de crocodilos, peixes, tartarugas e outros organismos, que ficaram soterrados em antigos ambientes de rios e lagos sob regime de clima quente e seco.

Nesse local, já foram identificadas vértebras de crocodiliano ainda em estudos e, por isso, não se sabe de qual espécie era.

Segundo William Nava, restos ósseos que pertenceram seguramente aos dinos herbívoros, conhecidos como titanossauros, também foram reconhecidos através de fragmentos, geralmente partes de ossos longos ou dentes isolados. Um desses fragmentos é parte de um úmero, osso da perna dianteira.

O pesquisador relatou que, provavelmente, o fóssil deveria estar mais completo, porém, as obras realizadas para ampliação do trecho da rodovia destruíram, sem que alguém percebesse, parte dele, enquanto o restante permaneceu incrustado no barranco, sendo fragilizado com o passar do tempo, pela chuva e pela erosão.

 

Dê sua opinião

Não serão aceitas mensagens com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;


Comentários
 
Fechar

Lista Telefônica Online

Preencha um dos campos abaixo e faça a consulta

Telefone

 
 
 
Fechar
Rádio Califórnia Rádio Clube Rádio Max Rádio Metropole