Cidade

43937

Município consegue suspensão de liminar que obrigava Prefeitura retirar moradores da Vila Esperança

Decisão em Agravo de Instrumento foi proferida pelo Tribunal de Justiça de São Paulo

OSVALDO CRUZ - A Prefeitura de Osvaldo Cruz conseguiu revogar a medida liminar que obrigava o município a retirar famílias da Vila Esperança. A reviravolta no caso ocorreu após o município ter ingressado com um recurso chamado de agravo de instrumento perante o Tribunal de Justiça do Estado em relação à decisão de caráter temporário incialmente proferida pelo juiz da 2a Vara da Comarca de Osvaldo Cruz, André Livonesi.

O magistrado havia determinado que a Prefeitura de Osvaldo Cruz cadastrasse no prazo de 60 dias todos os moradores da Vila Esperança e providenciasse a desocupação da favela em seis meses (180 dias). Outra obrigação seria providenciar alojamento para as famílias a serem retiraras de lá também em seis meses. A decisão foi proferida em ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público de Osvaldo Cruz contra a Prefeitura.

Agora as providências imediatas estão suspensas pelo TJ-SP e as famílias permaneçam na própria Vila Esperança até decisão do juiz Livonesi, da qual ainda caberá recurso ao próprio TJ-SP.

O Tribunal entendeu que, apesar de grave, o problema das enchentes na Vila Esperança já existe há pelo menos 50 anos e que não parece razoável que tudo seja resolvido em um ano.

Entenda o caso

A Promotoria de Osvaldo Cruz promoveu a ação contra a Prefeitura após apuração em inquérito civil sobre a situação da favela Vila Esperança, o conhecido Picadão.

"A área é desprovida de registro no Oficial de Registro Imobiliário", diz a liminar do juiz Livonesi.

Segundo o MP, a Vila Esperança é composta em sua maioria por moradias precárias e o local alto índice de criminalidade e constantemente sujeita a alagamentos e deslizamentos, o que coloca em perigo a população lá residente.

“É certo que a ação baseia-se em procedimento prévio, instaurado para o fim de averiguar os fatos. Os documentos demonstram a precariedade a que está submetida a população residente na Vila Esperança” diz o magistrado.

O juiz considerou que “a política pública formulada pelo Poder Legislativo, no plano diretor, não é efetivamente cumprida”.

“Os fatos remontam o descaso de longa data do Poder Público Municipal. As enchentes assolam o local com frequência considerável. A ocupação do solo é irregular, já que os moradores do local não são titulares de domínio ou possuidores com justo título”.

Na visão do MP e do juiz Livonesi a Prefeitura “não se está criando política pública”, o que gera “omissão no cumprimento do Plano Diretor e há inegável risco à vida e saúde das pessoas”, justifica.

Versão já apresentada pelo município

Em entrevista já veiculada pela imprensa mostra que o prefeito Edmar Mazucato é ciente da pretensão da Promotoria. "Eles (MP) querem que a Prefeitura faça um recadastramento de todas as famílias que moram na Vila Esperança, alegando problemas com alagamentos, ocorrências policiais, drogas, vários fatores”, explicou Mazucato.

O prefeito já adiantou anteriormente que não há recursos próprios para a desocupação da Vila Esperança, alojamento das famílias e eventual deslocamento para outro local da cidade.

"É algo complicado e polêmico. Não sei como os moradores irão reagir. Vamos fazer todo um trabalho para melhorar”, disse Mazucato em entrevista anterior.

Dê sua opinião

Não serão aceitas mensagens com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;


Comentários
 
Fechar

Lista Telefônica Online

Preencha um dos campos abaixo e faça a consulta

Telefone

 
 
 
Fechar
Rádio Califórnia Rádio Clube Rádio Max Rádio Metropole