Blog do Giu

47430

Mãe fala que sonho seria o Dia do Autista e não Dia Internacional de Conscientização sobre o tema

Educadora Branca Romanini fala sobre o tema e faz apelo

OSVALDO CRUZ - Branca Romanini é educadora e mãe de Chiara e de João Fernando. Aos dois anos de idade João Fernando apresentou sinais do Transtorno do Espectro Autista, ou simplesmente Autismo.

Hoje (2) é o Dia Mundial de Conscientização do Autismo e o Portal Ocnet foi ouvir esta mãe sobre sua experiência com o filho, que hoje tem 23 anos de idade. A data é lembrada mundialmente como desde 2007 para difundir informações para a população sobre o autismo e assim reduzir a discriminação e o preconceito.

As pessoas afetadas por esta síndrome neuropsiquiátrica chamada de transtornos do espectro autista (TEA), como o próprio nome sinaliza, englobam uma série de diferentes apresentações do quadro, mas que têm em comum maior ou menor limitação na comunicação, seja linguagem verbal e/ ou não verbal,interação social e comportamentos repetitivos e com gama restrita de interesses.

"A criança tem o mundo dela. A cabeça do autista funciona diferente. Ele não se desliga das atividades desde a hora que ele acorda. É aí que ele se irrita, se descontrola, se perde e é importante as pessoas entenderem isso", disse Branca Romanini ao acrescentar que muitas vezes esse tipo de comportamento o autista é confundido como uma criança mal educada ou indisciplinada.

Nesta segunda-feira, 1, a Secretaria de Educação de Osvaldo Cruz, em parceria com a Associação Síndrome de Down, Apae e Direção Regional de Ensino promoveram uma palestra com o tema "Caminhos da Inclusão" em comemoração ao Dia Mundial da Conscientização do Autismo, com as  pedagogas e psicopedagogas, Déborah Patrícia de Morais e  Solange Pelegrini Bombarda. O evento foi na Escola Estadual "Benjamin Constant" com as presenças de centenas de professores e pais.

"Meu maior sonho é que não haja o Dia de Conscientização do Autismo, mas o Dia do Autista para se homenagear os portadores. Eu não falo sobre meu filho, o João Fernando porque ele é conhecido e está integrado à sociedade, mas sei de muitos outros casos em que os pais não saem de casa com os filhos autistas por receio ou preconceito. Todo autista é um ser humano, então peço a todos que respeitem-os nos limites de cada um", completou Branca Romanini.

Mob Bom 92 (blog do giu) - 02/04/2019

Dê sua opinião

Não serão aceitas mensagens com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;


Comentários
 
Fechar

Lista Telefônica Online

Preencha um dos campos abaixo e faça a consulta

Telefone

 
 
 
Fechar
Rádio Califórnia Rádio Clube Rádio Max Rádio Metropole