Acontece

40921

Nível técnico bate nível superior na retomada do emprego na indústria, diz pesquisa

Brasil terá de qualificar 13 milhões de pessoas até 2020, diz Senai; profissões transversais e tecnológicas levam vantagem

Aluno de ensino profissionalizante brasileiro na competição mundial 'World Skills', em Londres, em 2011 (Foto: Vanessa Fajardo/G1) Aluno de ensino profissionalizante brasileiro na competição mundial 'World Skills', em Londres, em 2011 (Foto: Vanessa Fajardo/G1)

NACIONAL - A indústria absorveu mais trabalhadores de nível técnico que de nível superior no primeiro semestre deste ano, aponta levantamento do Sistema Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) divulgado nesta segunda-feira (11).

Segundo a pesquisa, atividades mais próximas à linha de produção – operadores, técnicos de manutenção e de vendas, por exemplo – voltaram a abrir vagas, enquanto as oportunidades para engenheiros e diretores continuam baixas. Das dez áreas de engenharia pesquisadas, apenas três tiveram saldo de empregos positivo.

O diretor-geral do Senai, Rafael Lucchesi, credita esse cenário à recuperação do consumo das famílias e ao perfil do próprio sistema de emprego. Segundo ele, os dados também revelam "sinais de recuperação" da indústria e da economia, de modo geral.

"O sistema de emprego, via de regra e em qualquer atividade, é piramidal. Por exemplo, você tem um professor titular, alguns adjuntos, vários auxiliares e ainda mais alunos", explica Lucchesi. Essa lógica se repete em outros ambientes, como a indústria.

"Então, é claro que você tem um contingente maior de operadores, de funções mais subalternas. Com qualificação técnica superior a 200 horas, um número intermediário. Aí, um número menor de técnicos, e ainda menor de engenheiros."

Essa distribuição do trabalho, segundo o diretor do Senai, faz com que os empregos de menor qualificação sejam os primeiros na "fila do corte" quando a crise chega – e os primeiros na fila da recontratação, quando a economia se estabiliza.

Em outro estudo recente, o Senai apontou que o Brasil terá de qualificar 13 milhões de trabalhadores em ocupações industriais até 2020. Segundo o órgão, boa parte desse número se refere à requalificação – por exemplo, alguém que já atua como eletricista, mas precisará fazer um curso de automação para se manter competitivo.

Dê sua opinião

Não serão aceitas mensagens com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;


Comentários
 
Fechar

Lista Telefônica Online

Preencha um dos campos abaixo e faça a consulta

Telefone

 
 
 
Fechar
Rádio Califórnia Rádio Clube Rádio Max Rádio Metropole